Galeria de Fotos

(As fotos são de instrumentos e montagens experimentais do

Laboratório de Térmica e Fluidos - DE - FEM e do MultLab - FEM). 

Em tempo: nós estamos alí em baixo!

 

Torquímetro de escova da Omega, 1000 lbf-in, montado para aferição estática

 

Medidor Coriolis da Micro-Motion, 3"

 

Inversores de frequência para acionamento de bombas (2, alto à esquerda) e rotâmetros para 

medição de vazão de ar (centro, montado na placa de acrílico).

 

 

Detalhe dos rotâmetros de ar.

 

Inversor de frequência para acionamento de bomba (à esquerda), trocador de calor (fabricação caseira, casco e tubo), medidor Coriolis da Metroval (embaixo), manômetro inclinado (de poço), sensores de pressão, indicador de temperatura para termopar (caixa preta, presa na parede).

 

Medidor vórtex, observe a haste de geração de vórtices, no interior do canal.

 

Indicador analógido de temperatura, com "threshold", isto é, limites de máximo e mínimo (à esquerda), e indicador digital de um medidor de vazão tipo turbina (à direita).

 

À esquerda, um psicrômetro de coluna de ventoinha (termômetros de bulbo seco e bulbo úmido, com corrente de ar criada por mini-ventilador. Esse aí no centro ainda não sei o que é (medidor de vazão da Fisher & Porter, princípio operacional?). Descobrindo, avisem. À direita, um rotâmetro da Dwyer, calibrado para ar (veja lá escrito, SCFH Air, pé cúbico por hora de ar padrão. Mais ao fundo à direita, um manômetro de tubo U.

 

De novo o rotâmetro, o manômetro menor e um manômetro grande de tubo U. No pé dele, um outro psicrômetro de ventoinha, pequeno (o objeto cromado).

 

Novamente o psicrômetro pequeno cromado, entre um Bourdon C e um Bourdon espiral.

 

Detalhe do psicrômetro de ventoinha, pequeno.

 

Veja que beleza, um potenciômetro milivoltimétrico (ponte de Wheatstone + amplificador) da Ledds & Northrup. Tem mais de 30 anos, esse bicho. O IPT tem um enorme, de gabinete (1,5 m x 0,80 m x 0,80m, a x l x p); segundo eles, nada se compara ainda em termos de precisão.

 

Olha aí o bicho, um instrumento de cancelamento. Nos terminais à direita, no alto, você conecta a sua fonte de tensão (termopar). E compensa-a gerando uma tensão oposta, por exemplo. Esta é a função de potenciômetro. Essa roda grande aí no centro ajusta a tensão de compensação e o relógio indicador no alto indica o "null", isto é, o cancelamento da entrada.

 

À esquerda, um sensor de pressão capacitivo, da Omega. À direita, uma junta fria eletrônica da Omega, para termopares tipo T. Logo abaixo, ainda dentro da caixa, um conector de termopar, macho-fêmea, creio que também para o mesmo tipo de termopar, T. À direita, outro sensor de pressão diferencial, capacitivo, que foi usado para medir nível (veja a anotação em pincel atômico na lateral do mesmo).

 

O túnel de vento da Plint & Partners, com seção de testes de 0,19 m x 0,19 m. Note que a seção convergente do túnel é um bocal: medindo-se a diferença de pressão entre as seções (note o tubo de medição de pressão sobre o túnel), calcula-se a velocidade na entrada da seção de testes. A ferramenta que está inserina na seção de testes é um Tubo de Prandtl (um variante de Tubo de Pitot).

 

Este manômetro inclinado de poço (operando com álcool, densidade relativa 0,785) está medindo a diferença de pressão no Tubo de Prandtl (total menos estática). Os dois manômetros inclinados presos na lateral do túnel medem a diferença de pressão no bocal do túnel e a pressão estática na seção de testes.

 

Medidor de vazão vórtex de 3" (de cabeça para baixo, pois o fluxo é descendente na tubulação de PVC branca).

 

Viscosímetro Brookfield. Os fluidos a serem ensaiados estão nos beckers. A haste do viscosímetro - "spindle" - é substituída de acordo com a viscosidade do fluido. Nos dois vasos Becker, à direita, estão os dois líquidos sendo ensaiados: óleo automotivo SAE 20~40 e solução de glicerina bifiltrada e água.

 

 

As meninas são grandes experimentalistas, são cuidadosas e detalhistas. Estão aí, ao lado do sistema de aferição de vazão, capaz de fornecer vazão de água até uns 8 m3/h. O balde azul é indispensável, laboratório sempre tem vazamento; fita isolante, barbante e arame são outros acessórios indispensáveis, laboratório não funciona sem eles.

 

Viscosímetro de Stokes: nada mais que um tubo tranparente, cheio com o líquido que se deseja medir a viscosidade. Uma esfera é lançada no topo e desce com velocidade terminal (a seta indica a osição instantânea da esfera). A velocidade da esfera é medida e obtém-se a viscosidade.

 

Uma bela balança analítica (balança de pratos), instrumento de cancelamento (note a haste central e

a escala de "null").

 

Um medidor de vazão tipo turbina, de 50 mm de diâmetro.

 

Novamente o de vazão tipo turbina, de 50 mm de diâmetro, agora focado :-) , e os pratos da balança, ao fundo.

 

Conjunto de instrumentos em montagem experimental.