: FEM

FEM


Breve histórico da FEM

A Engenharia Mecânica da UNICAMP teve início em 1967 com a criação do Departamento de Engenharia Mecânica da FEC - Faculdade de Engenharia de Campinas. Ainda na FEC havia os Departamentos de Engenharia Elétrica e Engenharia Química.

A Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM) foi implantada em 1989, através do desmembramento da FEC e ocupa, atualmente uma área construída de 14.207 m2, sendo 10322 m2 de área útil distribuída entre departamentos, coordenações, laboratórios, áreas administrativas, salas de aula, de alunos e de professores. Cerca de 40 laboratórios encontram-se alocados nos diferentes departamentos e coordenações. Conta atualmente com quatro departamentos, dois cursos de graduação, três coordenações de pós-graduação e uma escola de extensão/especialização.

Objetivos da FEM

A Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas, tem por objetivo formar profissionais dos diversos ramos de engenharia mecânica, ministrar cursos, realizar pesquisas científicas e tecnológicas e prestar serviços a comunidade.

Áreas de atuação da FEM

A FEM atua no ensino de graduação, pós-graduação, pesquisa, extensão universitária e convênios de serviços e cooperação externa com as indústrias e outras instituições no país e no exterior.

Os cursos de graduação existem nas modalidades de Engenharia Mecânica (diurno, com 60 vagas/ano) e Engenharia de Controle e Automação (noturno, 40 vagas/ano - iniciado em 1998).

O Ensino de Pós-graduação na FEM, ocorre nas áreas de Engenharia Mecânica, Engenharia do Petróleo e Planejamento Energético. O Programa de Mestrado foi iniciado em 1974 e o de Doutorado em 1975. Os cursos de Pós-graduação visam a capacitação de pesquisadores, docentes e profissionais de nível superior. Dentre os cursos de pós-graduação destaca-se também a modalidade recentemente criada do Mestrado Profissional, visando a formação de recursos humanos ligados ao setor produtivo e utilizando para isso a mesma excelência de qualidade acadêmica de nosso corpo docente.

Os projetos de pesquisa são fruto da iniciativa de docentes ou grupos de pesquisa, através do financiamento de órgãos de fomento como FAPESP, CNPq, FINEP, etc. Tais projetos permitem o desenvolvimento de novas tecnologias ou processos de interesse cientifico. Dentre os projetos em andamento podem-se citar as Bibliotecas Virtuais de Bioengenharia e Petróleo que visam a organização e disseminação de informações, oferecendo facilidades de acesso até então inimagináveis para o pesquisador. O Projeto Impacto, cujo objetivo principal é projetar, construir e testar estruturas de pára-choques traseiros para os caminhões. O projeto possui um caráter social, permitindo a redução do número vítimas nas colisões com impacto na traseira de caminhões.

Laboratório de Bio-Mecânica, o Labiomec, criado em 1996 que visa otimizar uma atuação integrada nas áreas de pesquisa, ensino e extensão em biomecânica, bem como complementar as atividades na área biomédica, desenvolvidas na Unicamp. Projeto REENGE que tem como principal objetivo reestruturar o ensino superior, incentivando a realização de diferentes experiências de ensino como implantação de módulos de aprendizagem virtual, utilização de recursos computacionais, atividades de pesquisa e desenvolvimento experimental, na constante atualização de profissionais.

Os cursos de extensão universitária têm a característica de difundir conhecimentos, tecnologias e aprimoramentos, que estão sendo desenvolvidos no âmbito da Universidade, transformando-os em mecanismo seguro de atualização profissional. Alguns dos cursos mais tradicionais são os de Especialização em Engenharia da Qualidade Industrial, Engenharia de Segurança do Trabalho e Gestão Ambiental. A implementação permanente de novos cursos representa também o esforço da escola em atender as expectativas e demandas da sociedade, como é o caso do Curso de Especialização em Engenharia Automobilística, Tecnologia Ambiental para a Indústria e Engenharia do Gás Natural.

Os convênios de cooperação contemplam a transferência de tecnologia em áreas aplicadas como tecnologia de materiais, automação industrial, gestão de manufatura, análise de falhas, estudos de energia, indústria espacial, laminação de aços, ensaios mecânicos, máquinas e equipamentos, próteses bio-mecânica, procedimentos de manutenção, processos de fabricação, térmica e fluidos, vibrações e ruídos. Algumas das principais empresas e instituições conveniadas podem ser citadas: ALCAN, APSPM, AUTOSIMULATIONS, AÇOS VILLARES S.A., ACESITA, BAAN COMPANY, BRASIMET, BRASIMET, BRASTEMP, CLARK, COSIPA, CPFL, CST, CAESA, CIA VALE R.DOCE, CNPQ, CTIS, COPERSUGAR, DAIMLER CHRYSLER, DIFER DIAMANTES INDÚSTRIAIS, DAICAST, ELETROBRAS, ESC. ENG. SÃO CARLOS, EMBRAPA, FBB, FINEP-BID, FAPESP, FUNDAÇÃO CTI, GENERAL MOTORS DO BRASIL, INSTITUTO DE ATIVIDADES DO ESPAÇO, IPT, IZ, IPEN, JUMIL, MECÂNICA PESADA, MERCEDES BENZ DO BRASIL S.A, METALUR, METALÚRGICA SOLIMAQ, MIPAL, PETROBRAS, PADCT, PRODESMAQ, PLASTICOS METALMA, ROBERT BOSH LTDA., RODIACO IND. QUÍMICAS, SANDVIK DO BRASIL, SUMESA SULINA DE METAIS, TRAUBOMATIC INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA., UNIGRAF, UNICAD, UNICAM, UNIV. FED. STA CATARINA, USIMINAS, RHODIA, XTAL, WINTER DO BRASIL LTDA, WALLER METALÚRGICA. A interação com outros centros de pesquisa do país e do exterior é também uma atividade da Faculdade, incluindo o oferecimento de cursos interinstitucionais de pós-graduação no Brasil e convênios de cooperação técnica com entidades internacionais.

Perspectivas futuras da da FEM

A FEM tem por perspectiva o constante aprimoramento de seus serviços à sociedade. Buscamos manter atualizadas as ênfases curriculares de nossos atuais cursos de graduação e pós-graduação, assim como consideramos as tendências, demandas e oportunidades de criação de novas atividades de formação de pessoal de nível superior.

Nosso curso de extensão tem demonstrado na prática o potencial da unidade na prestação de serviços à comunidade, representando uma importante fonte na geração de recursos financeiros extra- orçamentários. É nossa expectativa nesta área a expansão do alcance de nossas atividades através da oferta de cursos modulares remotos, bem como a implementação de técnicas modernas de ensino à distância.

A pesquisa científica em nossa unidade conta com a perspectiva da expansão de área física para instalação de novos laboratórios, bem como manutenção do apoio institucional à tradução, redação e submissão de artigos científicos a periódicos de circulação internacional. Foi também criado um plano de incentivo a captação de financiamentos de pesquisa, destinando-se uma contrapartida de recursos financeiros da unidade, aos responsáveis por projetos submetidos e aprovados junto a órgãos de fomento e iniciativa privada.